´Fraternidade e pessoas com deficiência´ é o tema da Campanha da Fraternidade 2006

 ´Fraternidade e pessoas com deficiência´ é o tema da Campanha da Fraternidade 2006

Com o tema "Fraternidade e pessoas com deficiência", a Igreja Católica lançou, por meio da Campanha Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em todo o país a Campanha da Fraternidade 2006, que traz como lema "Levanta-te, vem para o meio" (Mc 3,3).

Em Aracaju, a abertura aconteceu na tarde de ontem, quinta-feira, na seda da Cúria da Arquidiocese de Aracaju e contou com as presenças do arcebispo Dom José Palmeira Lessa; do coordenador da campanha na Arquidiocese, Pe. Joaquim; do Frei Raymundo OFM, do grupo ‘Luz e Fé’; e do presidente da Associação dos Deficientes Motores de Sergipe, Antônio Fonseca.

Segundo Dom Lessa, a discussão que a campanha encabeçou para este ano será importante para refletir sobre a necessidade da valorização do outro, deixando de lado os preconceitos e estereótipos em relação às pessoas com deficiência. "Deficiência não é sinônimo de inutilidade. Este é um preconceito a mais para ser superado", comenta ele, citando como exemplo a arte realizada pelo mestre Aleijadinho.

Lessa destacou ainda que todos os seres humanos são revestidos de fragilidades provocadas por diversos fatores e criticou a forma como a sociedade busca valorizar as pessoas por meio do estímulo a competição. "Supervaloriza-se a qualidade relativa à força física. Se não tivermos atenção isso pode criar mais barreiras e descriminação. Precisamos estar atentos a isso", observou.

Para o presidente da Associação dos Deficientes Motores de Sergipe, Antônio Fonseca, a reflexão promovida pela Igreja é muito importante. "Também precisamos mobilizar os Poderes Legislativo e Executivo cobrando mais empenho para as áreas de educação e lazer. Só dessa forma teremos uma sociedade menos paternalista", declarou.

Eleições – Como 2006 é ano eleitoral, Dom Lessa disse esperar empenho da sociedade e dos governantes, que necessitam dar mais atenção às pessoas com deficiência. Ele convidou os candidatos a refletirem nas bases sobre as reais necessidades da população.

Coleta – Com a venda do material da campanha, a CNBB destinará 60% ao Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS) e os 40% vão para o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS). As contribuições podem ser feitas também por depósito bancário: Banco do Brasil (Ag. 3475-4, C/C 35.900-9) ou Bradesco (Ag. 0484-7, C/C 66.000-0).

Por Anderson Barbosa
Da Redação (Aracaju/SE)

Publicado em Notícias