‘Inclusão Social é tudo’

‘Inclusão Social é tudo’

 Na última sexta-feira, 21 de setembro, a categoria das pessoas com deficiência comemorou o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. Para celebrar esta data, o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Aracaju promoveu um Ato Público realizado pela manhã, na Praça General Valadão. Na solenidade, crianças deficientes plantaram mudas de pau-brasil em comemoração também ao Dia da Árvore.

Já no turno da tarde, a Coordenadoria Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CEPPID) realizou, no auditório da agência do Banco do Brasil, localizado na Praça General Valadão, uma vídeo-conferência onde foi transmitido o programa ‘Ponto a Ponto’, diretamente de Brasília.  No programa, a realidade e os direitos das pessoas com deficiência foram abordados. Ao final da apresentação, a coordenadora Estadual de Políticas Públicas de Inclusão para Pessoas com Deficiência (Seppid), Adriana Maria dos Santos, leu para todos a Carta Aberta, que será entregue ao Poder Público em breve.

A presidente do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Gorette Meideiros, falou com a equipe do Inclusão Social sobre o evento e as lutas que esse segmento vem sofrendo.

Inclusão Social – Como está sendo a luta das pessoas com deficiência no Dia Nacional das Pessoas com Deficiência?

Gorette Meideiros – Essa luta tem sido constante. Essa causa não é apenas lembrada nesta data e, sim, o ano inteiro, ainda mais este segmento que vem tendo conquistas significativas tanto na área da inclusão do trabalho quanto na parte de reabilitação. Essa luta melhorou 50%, tanto que o objetivo dessa Carta Aberta é de conscientizar a sociedade sobre as pessoas com deficiência.

IS – O que a Carta Aberta tentará mostrar?

 GM – Nosso objetivo não é só pedir acessibilidade às pessoas com deficiência. Nós queremos que a sociedade tome consciência e não os trate como uns coitadinhos. O nosso objetivo é que as pessoas olhem com a luz nos olhos os direitos de ir e vir da Inclusão Social e com os deveres e obrigações que a legislação determina.

IS – Quem participará da vídeo-conferência?

GM – Foram convidadas instituições relacionadas, algumas secretarias municipais e estaduais, membros do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência e algumas pessoas com deficiência.

IS – Para você o que é Inclusão Social?

GM – Inclusão Social é tudo. Para mim, quando se fala em inclusão é a exclusão, eu prefiro dizer que é a transformação. Na questão da inclusão social, é necessário que o Poder Público olhe para as políticas públicas dos direitos do deficiente porque eles são cidadãos.   

Por Heloisa Rocha
Da Redação (Aracaju/SE)

Publicado em Entrevistas