Massacre de Eldorado: marca na história do país

Massacre de Eldorado: marca na história do país

Em 17 de abril de 1996 policiais militares no Pará promoveram o Massacre de Eldorado de Carajás, que ganhou repercussão internacional e deixou marca na história do país, ao lado do Massacre do Carandiru (1992) e da Chacina da Candelária (1993), como uma das ações policiais mais violentas do Brasil.

Em 2002, o presidente Fernando Henrique Cardoso instituiu essa data como o Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária. Passados 13 anos do massacre no Pará, permanecem soltos os 155 policiais que mataram 19 trabalhadores rurais, deixaram centenas de feridos e 69 mutilados. Entre os 144 incriminados, apenas dois foram condenados depois de dois conturbados julgamentos: o coronel Mário Collares Pantoja e o major José Maria Pereira de Oliveira.

"Interessante" que ambos aguardam em liberdade a análise do recurso da sentença, que está sob avaliação da ministra Laurita Vaz, do STJ (Superior Tribunal de Justiça). A governadora do Estado do Pará, Ana Júlia Carepa, assinou decreto em abril de 2007 que concedia indenização e pensões especiais a apenas 22 famílias de trabalhadores sem-terra vítimas da chacina.

Em 2008, o mesmo governo promoveu os soldados que participaram do Massacre de Eldorado do Carajás à graduação de cabo. Apesar de todos os promovidos já terem sido absolvidos em primeira instância pela acusação de homicídio qualificado, ainda há um recurso no STJ (Supremo Tribunal de Justiça) que pede suas condenações.

 

Publicado em Notícias