Sergipe conta com ‘Acesso Especial’

 Sergipe já Conta com ‘Acesso Especial’

Com pouco mais de um mês de lançado, o site ‘Acesso Especial’ surge como um espaço destinado à troca de informações sobre assuntos pertinentes aos deficientes físicos.

O projeto é encabeçado por dois jovens graduandos do curso de comunicação social (Jornalismo): Heloísa Rocha (23); e Lauro Augusto (22).  Confira abaixo a conversa que o IS teve com os idealizadores do projeto ‘Acesso Especial’.

Inclusão Social – Como foi que surgiu a idéia de se fazer este site?
Acesso Especial (Lauro Augusto)
– Na verdade a idéia surgiu de Heloísa, ela sempre teve o sonho de fazer algum trabalho em relação ao deficiente físico, e com o projeto experimental de conclusão de curso, ela começou a trabalhar mais esta idéia.
(Heloísa Rocha) – A partir da escassez que eu percebi, e da falta de informação sobre os deficientes físicos na mídia – além das mesmices nas pautas abordadas, me surgiu esta idéia.

IS – Quando foi que começou a idéia em si?  A formatação da idéia?
AE (HR)
– Em meados de outubro de 2006, mas a idéia concreta mesmo, a partir de junho deste ano (2007).
(LA) – E foi a partir daí que a gente se juntou… Ela já tinha algumas coisas pensadas, em questão de quadro… A gente começou a trabalhar e ver o que é que faltava.  Como o site é voltado para o estado de Sergipe, a gente começou a ver o tipo de informação que existia sobre esta questão, e ver o que a gente poderia estar atento neste início, para colocar no site e preencher esta lacuna.  É bom frisar que o público alvo não é só o deficiente físico, e sim todas as pessoas que se interessem sobre a questão.

IS – Como cada um de vocês se vê diante deste processo da inserção de pessoas com deficiência?  Como foi isso pra você, ao longo da vida?
AE (HR)
– Realização de um sonho.  É como se eu tivesse realizado o sonho de um projeto que eu abracei desde o final do ano passado.  Eu queria fazer alguma coisa que tivesse relevância em Sergipe.
(LA) – Então, pode ser até redundante, mas é um trabalho muito importante.  Quando você começa a trabalhar neste meio, você vê a quantidade de preconceito que existe em volta, e realmente a falta de informação é muito grande.  São diversos tipos de problemas físicos que existem e os próprios portadores não têm esta informação; quando você começa a ficar mais próximo e a trabalhar mais perto é que você vê a lacuna que existe nisso.

IS – O site foi lançado no dia 21 de setembro; como é que está a interação de vocês, o trabalho e a relação com as pessoas com deficiência que acessam o site?
AE (HR)
– Eu acho que está tendo uma receptividade muito boa, melhor do que a gente imaginava.  A gente está tendo muito apoio do conselho municipal, estadual, das associações…  Eu acho que prova disto é que em três semanas a gente já teve bastante participação na nossa enquete; a gente já foi divulgado na mídia, a gente já teve bastante torpedo de informações; então eu acho que a gente teve um boa aceitação e essa categoria está aprovando o trabalho/projeto.
(LA) – A reciprocidade está muito boa; o Conselho Municipal está totalmente atrelado ao site da gente, mantendo contato o tempo todo.  As associações mandam denúncias, inclusive, e quando a gente vai apurar as informações nos lugares, as pessoas atendem a gente educadamente, aceitam as sugestões da gente.  Tá muito legal.

IS – Até agora, quais as dificuldades e méritos que vocês já conseguiram perceber?
(HR)
– As dificuldades são as questões financeiras; de recursos, de a gente ter o que a gente gostaria…
(LA) – A gente tem esperança de crescer, porque como a gente já falou aqui, o site já tem pouco mais de um mês e a gente está notando uma receptividade; a gente já tem o patrocínio do SINDIFISCO, e está tendo uma receptividade dos conselhos e as pessoas estão ajudando o trabalho da gente.
(HR) – Os obstáculos não são relevantes.  A gente está conseguindo dar conta do recado, até agora.

IS – Existe alguma coisa que vocês queiram acrescentar?
(HR)
– Acesse o site: www.acessoespecial.com.br
(LA) – É válido lembrar que a gente está aberto a sugestões, pautas – inclusive para o quadro “Denúncia”, reclamação e crítica.

Por Carlos Augusto
Da Redação (Aracaju/SE)

Publicado em Entrevistas