Sescanção acontece no dia 31 no Teatro Atheneu

sescancaoO Sesc realiza no dia 31, às 20h, no Teatro Atheneu, a Mostra Sergipana de Música Sescanção com a apresentação das 14 canções selecionadas dentre as 200 inscritas. No palco do Atheneu o público conhecerá o talento de músicos, intérpretes e compositores de diversas faixas etárias e estilos, totalmente desconhecidos no cenário musical e as suas composições ainda inéditas.

Dentre as muitas novidades desta edição, se destacam a possibilidade dos participantes se apresentarem com suas próprias bandas e as oficinas de produção musical, expressão corporal e técnica vocal, que o Sesc irá promover gratuitamente, com o objetivo de auxiliar os intérpretes em suas performances no palco.

O Sescanção é aberto ao público e o ingresso é um quilo de alimento não perecível que será doado ao Programa Mesa Brasil por aqueles que desejarem colaborar com a maior rede solidariedade e combate à fome e o desperdício de alimentos, coordenada pelo Sesc em todo Brasil.

Este ano o Sesc presta uma justa e honrosa homenagem a um dos primeiros coordenadores do Sescanção em Sergipe, o maestro, instrumentista, cantor e compositor, Luiz Carlos Mendonça – Muskito, que emprestará o seu nome ao troféu que será dado aos músicos selecionados na Mostra.

José Carlos Carvalho de Mendonça, Muskito (Porto Real do Colégio, Alagoas, 10 de dezembro de 1955) é um músico brasileiro que teve seu primeiro contato com a música aos oito anos de idade.  Ainda aos 12, em Propriá, Sergipe, fundou o conjunto musical Os Átomos, tocando em bailes e shows acompanhando cantores como, Jerry Adriani, Wanderley Cardoso, Antônio Marcos, Reginaldo Rossi, Nelson Gonçalves e outros.

Em 1970 foi convidado para tocar na orquestra Los Guaranis. Mudou-se para São Paulo em 1971, onde começou seus estudos de violão clássico. Em 1979, já em Aracaju, participou do grupo de chorinho do professor e compositor Henrique Souza.

Em 1981, em Salvador, ingressou na Universidade Federal da Bahia (UFBA) vindo a se formar em Composição e Regência. Apresentou-se em festivais e teatros baianos. Em 1987 fez uma turnê de três meses pela França com a Banda Massa. Mudou-se com a família para Antonina-PR em 1990, onde fez vários shows e dava aulas de música na Filarmônica Antoninense.

Voltando a Aracaju, em 1991, foi convidado para ser técnico de música do Sesc. Lá coordenou o Festival Sescanção por quatro anos. Foi Professor de Formas de Expressão, Comunicação Artística e Estética da Unit (Universidade Tiradentes).

Lecionou Arte e Educação na Universidade Federal de Sergipe (UFS) e participou ativamente do movimento popular de Canudos. Em 2000 foi convidado pelo cantor Vital Farias para participar da missa dos agricultores do sertão do Cariri, na Paraíba, onde nasceu uma grande amizade entre os cantadores.

Foi diretor da Escola Municipal de Artes, professor de Harmonia e Violão, do Conservatório de Música de Sergipe e professor de Harmonia e Improvisação, da Escola de Artes Valdice Teles. Atualmente é coordenador de Extensão Cultural da Fundação Municipal de Cultura de Aracaju – Funcaju.

Músicas Selecionadas:
Amor quebra galho | Samba de Moça Só
Black in Blue | Lena Oliver
Cabeça de bacalhau | Brasileiríssimo
Choro do Nego | Silvio Ismerim
Cometa ou Estrela | Claudio Vilanova
Conversa de Irmão | André Lima
Guarida Sertaneja | Tom Robson
Na frente da Rua da Frente | Rodrigo Peninha
O que falta compor | Paulinho Araújo
Pimenta e Sal | Héloa
Por este universo | Mauri de Noronha
Sangra | Lêmures
Vou vencer | Diconduta
Universe | Marcus Vinicius

Fonte: Ascom Sesc

Publicado em Notícias